Trabalho e riscos de adoecimento na Atenção Psicossocial Territorial

implicações para a gestão do cuidado em saúde mental

Autores

Palavras-chave:

Condições de trabalho, Saúde ocupacional, Serviços de saúde mental

Resumo

O estudo busca analisar a precarização do trabalho por meio das condições laborais que influenciam a gestão do cuidado em saúde mental e a saúde do trabalhador. Trata-se de estudo de caso único, com abordagem mista, realizado em seis Centros de Atenção Psicossocial (Caps) de Área Descentralizada
de Saúde. Aplicou-se o Inventário sobre Trabalho e Riscos de Adoecimento em amostra intencional total
de 35 trabalhadores, dos quais, 15 participaram da entrevista projetiva. Os dados foram tratados no SPSS
26.0.0.0, expressos como medidas de tendência central e dispersão. As entrevistas foram categorizadas a partir dos eixos de avaliação propostos pelo inventário, contextualizadas e problematizadas a partir do pensamento complexo de Edgar Morin. O resultado é crítico para a maioria dos preditores que avaliaram o contexto, o custo humano, o prazer, o sofrimento e os danos relacionados ao trabalho nos Caps. Dados ilustrados pelas narrativas dos trabalhadores descrevem as condições do trabalho precário. Princípios produtivistas do neoliberalismo foram incorporados rapidamente pelos gestores locais do Sistema Único
de Saúde, tornando a precarização do trabalho uma constante real. É preciso rever os processos de gestão
do cuidado em saúde mental, financiamento e condições ocupacionais e contratuais legais, para que se alinhem com a APT.

Publicado

2023-12-03

Como Citar

1.
Lima ICS, Sampaio JJC, Júnior ARF. Trabalho e riscos de adoecimento na Atenção Psicossocial Territorial: implicações para a gestão do cuidado em saúde mental. Saúde debate [Internet]. 3º de dezembro de 2023 [citado 22º de fevereiro de 2024];47(139):878-92. Disponível em: https://saudeemdebate.org.br/sed/article/view/8591

Edição

Seção

Artigo Original