Análise da produção científica sobre avaliação de políticas de saúde bucal no Brasil

Autores

  • Sandra Garrido de Barros UFBA
  • Carlos Eduardo Borja de Miranda Universidade Federal da Bahia (UFBA)
  • Thais Régis Aranha Rossi Universidade do Estado da Bahia (Uneb)
  • Sônia Cristina Lima Chaves Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Palavras-chave:

Política de saúde, Saúde Bucal, Bibliometria

Resumo

Com o objetivo de analisar as produções científicas sobre avaliação de políticas públicas em saúde bucal no Brasil foi realizado um estudo bibliométrico das publicações entre janeiro/1980 a maio/2015, nas bases Scielo e BVS/Bireme/OPAS. Foram incluídos 45 artigos em português e/ou inglês, sendo excluídos artigos em duplicidade e fora do tema. A classificação foi realizada por duas pesquisadoras quanto a desenho/estratégia de estudo, principais achados e características do estudo avaliativo segundo atributos para a pesquisa na área. Os artigos foram publicados entre 2002 e 2015. A região sudeste (48,9%) e as instituições públicas (82,2%) respondem pela maior produção. A maior concentração de artigos estava em revistas Qualis A2 (48,9%). A maioria dos trabalhos (86,6%%) eram estudos quantitativos e a maior proporção tratava de Cobertura e Utilização (22,2%) e Monitoramento de intervenções em saúde (20%). A principal característica dos estudos analisados relacionava-se à disponibilidade e distribuição social dos recursos (64,4%). A produção na área vem sendo publicada em periódicos de relevância na Saúde Coletiva, o que confere a sua importância para compreensão da dinâmica da prestação do cuidado, como análise crítica e forma de apontar experiências exitosas e rumos a serem corrigidos nas políticas, conforme recomendado nas conferências de saúde bucal.

Downloads

Publicado

2022-04-22

Como Citar

1.
Garrido de Barros S, Borja de Miranda CE, Rossi TRA, Chaves SCL. Análise da produção científica sobre avaliação de políticas de saúde bucal no Brasil. Saúde debate [Internet]. 22º de abril de 2022 [citado 13º de agosto de 2022];43(120 jan-mar):207-22. Disponível em: https://saudeemdebate.org.br/sed/article/view/825