Índice de Dependência Regional e Macrorregional: uma contribuição ao processo de regionalização do SUS

Autores

Palavras-chave:

Sistema Único de Saúde. Regionalização da saúde. Assistência integral à saúde. Governança em saúde.

Resumo

O estudo aborda a interdependência das regiões e macrorregiões de saúde no Brasil nas internações de  média e alta complexidade, no ano de 2019. Foi  realizada a análise dos fluxos estabelecidos, utilizando o Índice de Dependência Regional e Macrorregional, a partir de dados secundários do Sistema Único de Saúde (SUS) obtidos no Sistema de Informação  Hospitalar. Os resultados demonstram que grande  parte das regiões e macrorregiões de saúde absorvem em seus territórios as internações de  média  complexidade, com variações entre as especialidades.  Nas internações de alta complexidade, a maioria das  regiões de saúde apresenta grande dependência,  sendo que a assistência está concentrada em 15%  delas. Entre as macrorregiões de saúde, o cenário é  significativamente heterogêneo, com dependência  expressiva nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, e alta resolutividade na região Sul. Em todas as análises, o porte populacional das regiões e  macrorregiões de saúde apresenta relação inversa à  dependência regional e macrorregional. O  aprimoramento da regionalização pressupõe a  organização de uma rede de atenção à saúde que  considere as desigualdades e as diversidades  territoriais, a interdependência e a autonomia entre os territórios e os atores implicados, e a coordenação  entre as unidades federativas, de modo a garantir  cuidado integral e equânime.

Publicado

2023-08-18

Como Citar

1.
Guerra DM, Louvison MCP, Chioro A, Viana ALD. Índice de Dependência Regional e Macrorregional: uma contribuição ao processo de regionalização do SUS. Saúde debate [Internet]. 18º de agosto de 2023 [citado 21º de maio de 2024];47(138 jul-set):431-43. Disponível em: https://saudeemdebate.org.br/sed/article/view/7867

Edição

Seção

Artigo Original