Acidentes Automobilísticos no Brasil em 2017: estudo ecológico dos anos de vida perdidos por incapacidade

Autores

  • Tamires Feitosa de Lima Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Raimunda Hermelinda Maia Macena Universidade Federal do Ceará (UFC)
  • Rosa Maria Salani Mota Universidade Estadual do Ceará (Uece)

Palavras-chave:

Carga Global da Doença. Anos de vida ajustados pela incapacidade. Acidentes de trânsito. Automóveis.

Resumo

Este estudo se propõe a descrever o impacto dos acidentes automobilísticos no Brasil no ano de 2017 sobre os anos de vida perdidos ajustados por incapacidade. Estudo ecológico, com dados secundários da Global Health Data Exchange (GBD 2017) disponibilizados pelo Institute for Health Metricsand Evaluation (IHME). Os dados foram obtidos utilizando filtros de causa (ferimentos na estrada por veículo automotor), localização (Global, Brasil e Sul da América Latina) e indivíduos de ambos os sexos com idade de 15 a 49 anos. Foram considerados taxa de mortes e DALY por 100.000 habitantes. Os dados foram os exportados para o Excel® for Windows 2010 e analisados conforme a literatura. Estudo aprovado pelo CEP Unicatólica Quixadá/Ce (parecer 3.077.751). Observa-se no Brasil um decréscimo nas taxas de óbitos (19,68%) e DALY (22,10%) por AA entre indivíduos de em ambos os sexos entre 15 a 49 anos, porém mostra-se superior as taxas Global e do Sul da América Latina. Estudos como este são importantes para o aperfeiçoamento e o direcionamento de politicas públicas específicas, para formular e implementar estratégias de promoção e prevenção da saúde de segurança no trânsito.

Downloads

Publicado

2022-06-30

Como Citar

1.
Lima TF de, Macena RHM, Mota RMS. Acidentes Automobilísticos no Brasil em 2017: estudo ecológico dos anos de vida perdidos por incapacidade. Saúde debate [Internet]. 30º de junho de 2022 [citado 30º de janeiro de 2023];43(123 out-dez):1159-67. Disponível em: https://saudeemdebate.org.br/sed/article/view/2460

Edição

Seção

Artigo Original