Discurso Jurídico-Moral Humanizador sobre drogas e violência sanitária na saúde da família

Autores

  • Silier Andrade Cardoso Borges Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), Centro de Formação em Ciências da Saúde (CFS) – Teixeira de Freitas (BA), Brasil. silier@outlook.com
  • Maria Ligia Rangel Santos Universidade Federal da Bahia (UFBA), Instituto de Saúde Coletiva (ISC) – Salvador (BA), Brasil. lirangel@ufba.br
  • Priscilla Nunes Porto Universidade Federal da Bahia (UFBA), Escola de Enfermagem – Salvador (BA), Brasil. priscillaporto@outlook.com

Palavras-chave:

Cocaína crack. Atenção Primária à Saúde. Comunicação em saúde.

Resumo

As mídias influenciam os sentidos entre profissionais e usuários, que podem coadunar com práticas assistenciais que reiteram o modelo manicomial. Por meio da análise de entrevistas realizadas com profissionais da Atenção Primária à Saúde, utilizando-se como material de apoio as notícias sobre o programa Crack, é Possível Vencer publicadas em jornais impressos, observou-se a emergência de uma formação discursiva Jurídico-Moral ‘Humanizadora’, sistema simbólico compartilhado pelos profissionais que rejeita em sua superfície a intervenção policial e carcerária para substituí-la pela violência sanitária, sustentando a internação compulsória diante da falência do convencimento.

Downloads

Publicado

2018-07-17

Como Citar

1.
Borges SAC, Santos MLR, Porto PN. Discurso Jurídico-Moral Humanizador sobre drogas e violência sanitária na saúde da família. Saúde debate [Internet]. 17º de julho de 2018 [citado 28º de outubro de 2021];42(117 abr-jun):430-41. Disponível em: https://saudeemdebate.org.br/sed/article/view/1059

Edição

Seção

Artigo Original